28/04/2017

Sei que sim.

O tempo é especialista em reviravoltas. É o que me vale.

Um mal nunca vem só*

A semana passada, um dia depois do funeral, fui a uma consulta no Hospital com o pequeno, não saí de lá com boas noticias. À saída bateram-me no carro por trás. Chorei. A senhora pediu mil desculpas, pensou que tivesse a chorar do susto e por ter o pequeno dentro do carro. Também, mas chorei sobretudo dos nervos por estar tudo a correr bem (para não dizer o contrário), só me faltava mesmo sofrer o meu primeiro acidente de carro para acrescentar à minha lista de azares.

(Um carro policia vinha no sentido contrário e assistiu a tudo, poupou-me dores de cabeça! E o meu carro saiu ileso, ao menos isso. )

*Pelo menos na minha vida é assim. Quando algo se estraga ou algo de mal acontece, já sei que não nos ficamos por aí, uma maré de azares está por vir.

20/04/2017

Até sempre, meu amor velhinho.

Sábado, dia 15, eu e o meu marido perdemos os nossos avôs maternos. Dose dupla!

O meu avô tinha 87 anos, estava internado há 6 dias, mas não, não estava preparada para o perder agora. Ninguém estava. Talvez nem agora nem nunca, acho que ninguém está realmente preparado para perder quem ama. E o quanto eu amava este avô, a quem herdei os olhos bonitos e azuis e a teimosia (filho, já sabes a quem sais!).
Imaginar uma vida sem o meu avô dói demais, as saudades quase que esmagam os nossos corações. Mas ficam as memórias. Só tenho de agradecer e centrar-me nas recordações de uma infância feliz e na presença constante ao longo da minha vida, de teres vivenciado ainda muitos dos meus marcos de vida. Obrigada por tudo. Obrigada por teres sido uma excelente pessoa. Estarás sempre vivo nas nossas memórias e corações.

Até sempre. Amo-te.

07/04/2017

Sou um pichas!


Já me habituei ao elogio "tem aí uma menina muito gira". Sorriu e corrijo: é um menino. "É tão bonito que parece uma menina" Agradeço com cara de quem não percebeu a relação beleza/sexo. Agora que ele tem o cabelo compridinho já me cansei de corrigir "n" vezes as mesmas pessoas. O cabelo até pode causar alguma baralhação (comprido com caracóis nas pontas tal como eu tinha), mas se eu digo que é um menino é porque é um menino, ok? Só quando o trato pelo nome é que exclamam: "óohhh, é um menino!". Pois, tentei explicar isso há meia hora atrás ...

06/04/2017

Casa silenciosa.

Por questões de saúde, hoje madruguei e vi que não podia passar sem ir ao médico. Saí de casa ainda não eram 7.30h. Pedi ao meu marido para despachar o pequeno que ainda dormia e deixa-lo na avó para eu puder descansar o resto do dia. Como já disse, estar doente é um "luxo" depois da maternidade que eu evito ao máximo mas eu também não sou de ferro. Na verdade, um dos problemas é a falta de ferro, ando com anemia e isso faz-me sentir mais cansada que o normal. E tendo um pintainho em casa queixoso dos ouvidos, só a pedir colo, torna-se complicado ter forças para tudo.

Vim para casa, deitei-me e pensei: o miúdo hoje ainda não me viu. Fiquei com remorsos. Adeus descanso. Almocei sozinha e senti-me tão só (e eu que aprecio uma refeição descansada!). O silêncio nesta casa incomodou-me ao longo do dia, tive de sair, aproveitar para ir às compras. Sair sem ele não me faz confusão, mas estar em casa sem ele, sem a algazarra do costume, fez-me deprimir. Esta casa não é a mesma sem ele.


05/04/2017

Abril | Olá e Adeus.

Normalmente começo Abril a desejar que passe depressa. Para mim é um mês deprimente - "Abril águas mil" -, e despesas mil, sem datas especiais por assinalar. Este ano até tenho um acréscimo: renovar o cartão de cidadão (como eu adoro filas de espera ...). Estou em Abril mas a minha cabeça já só pensa em Maio e nos meus petiscos preferidos:

Os caracóis só ficam no ponto nos meses sem "r" (Maio a Agosto - aprendam comigo que eu não duro sempre!), por isso ainda tenho umas semanas de sofrimento até ser eu, uma esplanada, uma travessa de caracóis e uma bebida fresquinha. E um gelado para finalizar, sff. Sou feliz com tão pouco!