27/03/2017

Perguntas que me apanham desprevenida.

"Gostavas de ter mais um filho?"

Boa pergunta. Não sei! Estou tão habituada a impingirem-me filhos que fiquei encavacada com uma pergunta deste género. Eu que sou daquelas pessoas irritantes com resposta para tudo atrapalhei-me toda a responder. Respondi um tímido "acho que sim". Acho! - na perspectiva que adoro ser mãe e se as coisas acontecessem sem estar programadas acho que não iria fazer nenhum drama, ao contrário da fase em que dizia que não queria ser mãe, aí seria a tragédia, o horror! Agora não, agora acho que seria tudo natural, aceitaria bem a situação. Mas, em contrapartida, (ainda) não está nos meus planos voltar a engravidar. E (para já) não faço muita questão.

A palavra gostar fez-me reflectir. Será que gostava? Nunca pensei muito sobre questões sobre maternidade, primeiro porque dizia que não queria ser mãe, depois porque acho que não vale a pena planear muito a vida porque tudo depende das circunstancias e vontades do momento. Eu não queria mas quando 'bateu a vontade' foi quase pra ontem! Completamente inesperado. E se voltar a engravidar, acho que vai ser novamente assim. Nem depois de ser mãe criei aquelas idealizações de ser mãe de um ou de dez, de terem pouca diferenças de idades (ou não) entre irmãos. Não penso muito nisso, o que tiver de ser, será. Se a vontade de ter outro filho surgir o meu filho terá irmãos, mas se não surgir não vou ter mais nenhum só por causa das tragédias histórias em ser-se filho único!

De momento estamos bem assim, mesmo só com um já temos a casa e os corações cheios. Mas se a vontade surgir, queria pedir mais um tempo para aproveitar para namorar o meu pequeno, vê-lo crescer com calma, algo que só os primeiros têm o privilégio, depois é tudo a dividir e o tempo a passar (ainda mais) por entre os dedos!

23/03/2017

Quando os nossos pais olhavam de lado ...

Hoje o miúdo acordou em modo destruidor, trepava tudo, agarrava tudo, partia tudo ... Não sei, ou ele sabe que eu quero despachar alguma decoração cá de casa, adoptar ambientes mais minimalistas e deu um empurrão nesse sentido, ou simplesmente deu para parvo. Eu ralho e ele goza comigo, manda-me beijinhos para amansar-me e passar a mensagem "deixa lá mãe, para a próxima é pior". Está a ficar muito safado!

Está confirmado, eu não pertenço à geração de pais que sabem pôr os miúdos na ordem só com um olhar como faziam os meus, quase que batia continência! Respeitinho era muito bonito. Sabendo que não se trata de uma questão de falta de educação porque eu não o deixo fazer tudo o que quer e repreendo-o sempre que se estica, acho que o problema centra-se na falta de jeitinho em fazer o tal olhar ameaçador. Acredito mesmo nisso. É que pelos vistos a minha mãe e a minha sogra não perderam o jeito, basta olharem seriamente para ele para ele saber que fez merda e começar a chorar. É que nem abrem a boca! Tenho de pôr-me em frente a um espelho a treinar arduamente "o tal" olhar! Acho que o truque está aí.

22/03/2017

A sorte que eu tenho.

Às vezes pergunto-me que raio de sorte a vida me deu - era suposto a vida ser uma verdadeira montanha-russa? - mas depois calo-me quando estou ou penso nas minhas pessoas. Quando olho para fotografias como esta que resumem a minha sorte e felicidade.

[Obrigada pela sorte de ter pais com P grande: o meu, da minha mãe, e do meu filho! Aos homens da minha vida.]

16/03/2017

Ultimamente, por aqui ...

Por aqui há uma bebé que voltou novamente à carga com consultas - mas desta vez não são de rotina! Por aqui há uma mãe agradecida pelos bons profissionais. Por aqui há uma mãe irada com os maus profissionais. Por aqui já se pediu o livro de reclamações. Por aqui dá-se banhos às 5h da manhã, tal é a borrada! Por aqui desespera-se em faze-lo comer. Por aqui há muito mimo porque ele anda mais carente. Por aqui há muita lágrima por vê-lo assim. Por aqui andasse muito cansado. Por aqui a mãe também ficou doente. Por aqui este Inverno tem sido uma merda. Por aqui anda-se mais ausente porque não há disposição e cabeça para mais. Por aqui anseia-se por dias melhores, no que toca à saúde.

06/03/2017

dos últimos tempos


Respirar fundo primeiro. Decidir depois. Às vezes o cansaço é tanto que só nos apetece mandar tudo às urtigas mas não tomar nenhuma decisão de cabeça quente é das melhores (e mais difíceis) lições que podemos pôr em prática.

[Cansada. Cansada de protocolos de prematuridade. Cansada.]

01/03/2017

O meu sapinho

Encerramos Fevereiro a brincar ao Carnaval. Este ano tivemos um sapinho. Quando vi este gorro pensei logo no Carnaval, comprei-o no final do ano passado, depois foi só comprar um babygrow e pedir às mãos de fada da avó para lhe fazer um colete e pregar um laçarote e já temos um Sr. Sapo. Foi um sucesso. (Adoro ideias simples)

Março, sê bem-vindo.