30/11/2016

Jantar de Natal

Gosto muito de planear jantares entre amigos, de pensar na decoração, na ementa, no programa do serão ... Este ano calhou-me o jantar de Natal e já tenho alguns elementos e ideias para a decoração da mesa. Também já pensei na ementa - algo que me dá bastante trabalho porque há sempre alguém esquisitinho no grupo! :) É um prato simples, do agrado de todos, acho que não há muito por onde errar! Hoje fiz um pré-teste e o meu filhote aprovou. - Filho, estás convidado!

Já seleccionei a ideia para o mealheiro, já comprei tudo aquilo que necessito para pôr a minha ideia em prática, espero que saia como idealizado ... Se sair, acho que temos mealheiro vencedor! 'Migas, preparem-se ... [Inserir riso maquiavélico]

Também já tenho tudo o que preciso para montar a árvore de Natal, este ano ficamo-nos pelo tradicional e será montada no dia tradicional - amanhã, dia 1. Ando muito tradicional, ninguém diria! Irei personalizar pequenos elementos decorativos para a árvore e espero que tudo resulte no todo. Espero ainda que o resultado final não seja demasiado tradicional para o meu gosto! :)

E é isto que tenho a comunicar. Uma pessoa é muito mais feliz nesta época do ano, não é?

[Imagem: 1; 2]

29/11/2016

Dos fins-de-semana diferentes


Sábado passado fomos à mata buscar elementos decorativos para a quadra natalícia porque no próximo será noite de receber os amigos cá em casa para o jantar de Natal e decidi pôr um pouco de natureza à mesa! Apanhamos pinhas, musgo e bolotas. Foi um programa diferente. Sempre que o tempo permite, gostamos de sair, fazer programas a três no exterior, pô-lo em contacto com a natureza e a conviver com outras crianças. E quando não permite, vai-se implementar o fim-de-semana do pijama, como domingo passado - dia nacional do pijama. Dias de ronha no conforto do lar, com panquecas especiais para o lanche e a pôr filmes e séries em dia. Pequenos momentos tão bons!

26/11/2016

O nosso Black Friday

Ir ao médico e passar na farmácia para comprar os 4 medicamentos receitados. Não há nada melhor do que usufruir das promoções com receitas médicas! [Também não ultrapassaram os 20%, bahhh]

22/11/2016

O que oferecer neste Natal (friorento)?

Não sei se já sabem, mas depois de um Verão super quente também teremos um Inverno super, híper, mega frio, o mais frio dos últimos cem anos. (Deu para entender que será mesmo frio?) E eu que adoro temperaturas extremas ... Só que não. E se o pessoal for tão friorento quanto eu, o melhor é equipa-los para este Inverno rigoroso. Se não sabia o que havia de oferecer, o S. Pedro deu uma ajuda de coisas úteis para esta estação:

1 - Se têm presentes para bebés esqueçam os brinquedos e a roupa, o pessoal dá isso às resmas. Um belo saco de dormir será um presente bastante útil, seguro e quentinho. Preciso de comprar uns para este ano porque o meu pequeno dá mil voltas na cama e volta e meia ele fica destapado!

2 - Sacos de água quente elétricos. Comprei o meu há cerca de dois/três anos num chinoca e fiquei fã. Aquecem num instante e aguentam várias horas. O meu tem uma bolsinha para colocar as mãos (é tão bom) e hoje em dia há modelos muito giros.

3 - Gorros. Ou cachecóis. Ou luvas. Ou um conjunto disto tudo. Para miúdos e graúdos. Para ele ou para ela. São essenciais para um Inverno rigoroso e nunca são demais.

4 - Pijamas. Polares de preferência - sobretudo em roupa de cama. Acho que o pessoal não gosta muito de receber isto como prenda mas eu não me importo, é sempre algo útil. E se gostam do Mr. Wonderful, aproveitem a colecção que há na Oysho - uma das marcas que adoro, a par da Women Secret.

5 - Pantufas. Não sei se é de mim, mas as minhas desgastam-se rapidamente, todos os anos compro umas novas. Se forem como eu, aqui está um presente ideal.

6 - Mantas fofinhas. Ou ponchos (de andar por casa ou de sair). Ou robes. Para mim, é outra coisa que nunca é demais. E há uns tão fofinhos ...

7 - Bebidas quentes. Não está na imagem mas é outra ideia para grandes apreciadores de chás, por exemplo. Eu sou, herdei este gostinho, e quando fui a Londres abasteci-me de chás tanto para mim como para oferecer. E se vierem com caixas bonitas tanto melhor. E por falar em caixas bonitas ... já comprei a minha lata - edição limitada - da Dolce gusto para oferecer.

[Imagens: 1, 2 - Internet, 3 - Zara Kids, 4,5,6 - Oysho]

18/11/2016

Troca de prendas

Este ano a nossa troca de prendas será especial, tem em vista um programa a longo prazo entre todas: uma viagem só de mulheres :) Como tal, decidimos trocar um mealheiro e o mais original ganha uma caixa de bombons. Ontem foi dia de compras com as melhores amigas de sempre, andei a pesquisar o que havia e nada me encheu o olho. Elas proibiram-me de personalizar um porque sabem que tenho jeitinho para a coisa mas acho que vão ter azar, fiquei entusiasmada com duas ou três ideias e estou tentada em pôr mãos à obra! Espero ter tempo. [Depois mostro, não vá ter espiões por aqui ... há uma caixa de bombons em jogo! ahah]

Ps. Na volta, vi o Cristo Rei iluminado de roxo como forma de sensibilização para o Dia Mundial da Prematuridade e fiquei cheia de vontade de regressar logo a casa para dar um abraço apertado ao prematurinho mais lindo do (meu) mundo.

17/11/2016

Dia Mundial da Prematuridade

Só quem passou por isso perceberá a intensidade destas palavras (que podiam ser minhas):

"Dificilmente haverão dias tão intensos, tão marcantes nas nossas vidas como o dia em que atravessamos a porta de saída da neonatologia e trazemos o nosso bebé para casa.

Pode ter sido um internamento de poucos ou de muitos dias, mas a felicidade do bebé ser nosso (finalmente), é incomparável

É chegada a possibilidade de o pegarmos ao colo sempre que desejarmos, de não nos despedirmos à noite para vir para uma casa que nos parece insuportavelmente vazia.

Toda a nossa vida e tudo o que nos rodeia parece ter ficado em pausa, numa respiração contida, numa estagnação de planos e uma vivência
constante de medos. Como se as margens do rio avançassem, todos fossem seguindo as suas vidas, e nós permanecêssemos no nosso barco, parado, sem poder seguir viagem.

Tudo em casa espera a chegada do bebé que veio, sem chegar ainda. A cama vazia, as roupas nas gavetas que espreitamos sem demoras, para não nos desmoronarmos. Os brinquedos imóveis e demasiadamente arrumados. O silêncio.

A necessidade permanente de regressar ao hospital todas as manhãs, com o nó na garganta até ouvir a enfermeira dizer que esteve estável durante a noite. O desfiar das horas junto à incubadora, as más notícias a roubarem-nos a esperança de que um dia ele vá para casa. As boas notícias a reconstruírem os sonhos. O primeiro segurar dos seus dedos minúsculos, o primeiro colo, o primeiro olhar...

É uma viagem que tem tanto de sinuosa e dolorosa, como tem de extraordinariamente bonita. Pelo amor que se constrói, mesmo com um vidro entre nós e o tesouro maior das nossas vidas. O tempo vai passando... dias, ou semanas, ou até meses... até que finalmente, o nosso bebé é nosso.

Para levar para casa! Sem fios, sem um monitor, sem braços de enfermeiros para o devolvermos, sem vidros para nos separar. E tão imediatamente quanto a felicidade, visita-nos um medo paralisante. Como viver sem todas as ajudas que tivemos até esse dia? E se ele parar de respirar? E se houver sinais de que não está bem? E onde estão os números da saturação de oxigénio, da frequência cardíaca, da frequência respiratória, da tensão arterial? Onde estão os valores da gasimetria diária? A hemoglobina, a retenção de CO2? Para onde olharemos à procura da certeza de que o nosso bebé está bem? No lugar da equipa de dezenas de enfermeiros e de médicos, estamos apenas nós, pai e mãe, cada um de nós aterrorizado, a tentar tirar o medo um ao outro...

E chegarão pessoas, amigos, família, aos quais teremos que contar e explicar aquilo que nunca entenderão verdadeiramente. E como lhes pedir para desinfetarem as mãos, para não darem beijinhos, para não lhes pegarem se estiverem ligeiramente constipados...?

Como viver um percurso normal depois de tudo o que foi vivido? É como sair da linha de partida com uma maratona já feita... Não se parte da mesma forma que outros pais cujos filhos nasceram de termo. O barco pode finalmente seguir a viagem que tanto desejámos. Mas as margens estão diferentes, o percurso já mudou, o trajeto é outro...

Na viagem que começa ao chegarmos a casa, é necessário avaliar as sequelas da prematuridade, perceber o impacto neurológico e desenvolvimental nas várias metas que o bebé terá que atingir.

Precisam-se de bons profissionais que continuem a acompanhar-nos, terapeutas que compreendam o que é um bebé prematuro e uma família prematura. Que ofereçam respostas concretas, ajustadas, e verdadeiramente específicas para o nosso bebé. Apesar de todos estes desafios, nunca a viagem nos pareceu tão mágica, tão bonita, tão especial. O nosso bebé, com todos os medos, todas as marcas (nossas e dele), toda a viagem feita e por fazer... é, finalmente, nosso."
[Autoria: daqui]

Um beijo XXL a todos os bebés e pais prematuros.

16/11/2016

Memórias, o melhor das viagens ...

Acho que não há maneira mais rápida de aprender a usar uma colher sem ser ao pedir mais ... gelato! Adoraste a nova experiência e nós adoramos ver o vídeo dos teus olhinhos a brilhar enquanto esticas a tua colher em direcção ao nosso gelato a pedir "refill". É giro de se ver. Mas mais giro de recordar foi o momento em que estávamos junto à fontana di trevi, onde é comum os enamorados pedirem a sua cara-metade em casamento, e ouviu-se de repente uma enorme salva de palmas! Tu juntaste à festa a bater palminhas e a rir às gargalhadas. Achaste graça ver uma multidão a bater palmas. E quem estava ao pé de ti, achou-te graça pela tua reacção e contentamento :)

És um grande companheiro de viagem. Obrigada por estas e por outras memórias que me aquecem o coração.

15/11/2016

Procura-se ...

Andávamos à procura do telemóvel do meu marido. Iniciamos a nossa busca minuciosa nos sítios onde costumamos pousar ou guardar os telemóveis e nada. Já estávamos a stressar até que ele diz: "tem de estar em casa, o miúdo andou a brincar com ele". Fónix, já podia ter dito isto há mais tempo, tive de lhe dizer: "começa a procurar nos sítios mais improváveis". Fui para a cozinha e lá encontrei o maldito telemóvel dentro do armário, junto às panelas.

[Também já encontrei chuchas ao pé de panos de cozinha. Molas de roupa e sapatos dentro de gavetas! E um bebé também!]

10/11/2016

Já cheira a Natal ...

Novembro cheira-me a Natal, cá por casa os enfeites chegam a meio deste mês. Só não monto o cenário natalício logo no inicio para não parecer muito ansiosa! :) Este ano não sei se nos vamos atrasar porque temos uma árvore nova a precisar de nova decoração - decoração essa que ainda não decidimos. Estou habituada a uma decoração menos tradicional (árvore branca com enfeites azuis e dourados) que nem sei como hei-de dar a volta a esta árvore verde! Ando entretida a procurar inspirações e ideias giras (estes exemplos primam pela simplicidade). Uma coisa é certa: quero uma cesta para colocar a árvore lá dentro, para esconder os pés.

Tenho de começar a fazer a minha lista de pessoal bem comportado que merece receber um presente. E o quê? Grande ponto de interrogação! As do ano passado foram fáceis e práticas, este ano estou sem ideias. Ainda por cima somos pessoas que não esperam pelo Natal para oferecer aquilo que queremos ou precisamos. O Natal é quando nós queremos, não é? Este ano foi o ano de todas as avarias e tinha pensado numa máquina de café Delta para lhe oferecer mas entretanto apareceu uma promoção imperdível (oferta de capsulas no valor da máquina com mais um ano de garantia) e lá se foi o meu presente de Natal. Já lhe comprei um mimo mas quero complementar com algo mais especial. Já para o menino o Natal é literalmente todos os dias, é o que ganha sempre. Tenho aproveitado algumas promoções de 50% em brinquedos que o seu rico pai já fez o favor de pôr a uso, escapou-se um ou outro (tenho de embrulhar rapidamente para ver se chegam ao Natal!). Para o pequenino é fácil, mas para o resto do pessoal está difícil ... Preciso de tempo para pensar! Quem me oferece tempo?

[Imagens: 1 - 2 - 3 - 4]

08/11/2016

Itália || Vaticano

Roma é uma cidade aparentemente compacta, as atracções mais importantes ficam relativamente perto umas das outras mas mesmo assim uma pessoa anda quilómetros de um lado para o outro. Nós só usávamos o metro quando saíamos do hotel e quando regressávamos. Para quem viaja com bebés é óptimo porque muitas estações não têm elevador e torna-se chato tirar e meter o bebé do carrinho, fechar e abrir carrinho. Para quem gosta de viagens culturais, torna-se mais fácil viajar com bebés para cidades mais compactas. Sei que digo sempre, após cada viagem, que gosto cada vez mais do metro de Lisboa. É mais moderno e com melhores acessibilidades (serve vários locais e são várias as estações com escadas rolantes e elevadores). E dizia isso antes de ser mãe, quando ainda não reparava nos "entraves" de um carrinho de bebé!

Em relação às acessibilidades dos locais a visitar: dentro de Roma o único sitio mais chatinho de visitar com um bebé que nós fomos foi o Colisseu+Palatino+Fórum Romano devido à calçada antiga. Não é muito agradável empurrar um carrinho de bebé sobre pedregulhos! O Colisseu até se fez bem, os tremeliques maiores foram no Palatino e Fórum Romano - lá dentro têm a indicação do nível de dificuldade de cada caminho mas nós só reparamos nesse pormenor perto da saída! (Rir para não chorar) Contudo, para mim foi mais cansativo visitar o Vaticano do que Roma inteira! Fomos aos Museus do Vaticano que apesar de terem elevadores acho que não fica muito prático porque não há um a cada esquina, tínhamos de voltar para trás, e fiquei com a ideia que não servia todo o museu. Foi raro usar. Como nós gostamos sempre de percorrer tudo de uma ponta a outra, houve muitas escadas a subir/descer! Em relação à Basília de S. Pedro, carro de bebé não entra. Não sei o que dizer quanto a isto mas as minhas costas não gostaram nada da gracinha. Visitar algo com aquela dimensão com um bebé que ainda não anda pode ser um pouco penoso. A minha fé ficou um pouco abalada depois disto ... :)

Os contras foram poucos, se forem pessoas de (re)visitar os monumentos apenas por fora até se escapam a eles!  Aconselho Roma como destino de família.

04/11/2016

Itália || Roma

Fui no verão, cheguei no outono. Fomos no final de Setembro e apanhamos o inicio desta luz bonita, em tons de dourado, que embeleza qualquer cenário - ainda para mais um que respira história a cada esquina. Gosto de viajar nesta altura do ano, de apanhar esta transição. Adoro o meu mês de Setembro, cheio de coisas boas (e eu sem muito tempo para partilhar ...).

Acho que tenho uma costela italiana, por mim ia lá todos os anos para matar saudades das pastas, pizzas e dos gelatos (há com cada sabor novo!). Tudo aquilo que a minha barriguinha mais adora! Haverá uma próxima, com certeza, mas com outros cenários. Itália é um país a explorar melhor. A dois ou a três, é sempre um passeio agradável.

03/11/2016

Do Halloween

[Bates com a mão na cabeça para nos chamares de tontinhos. Não faz mal, estes tontinhos são felizes assim, a aproveitar todas as oportunidades de diversão e de te fazer ainda mais feliz. Qualquer pretexto é bom para nos divertirmos com aqueles que mais amamos!]