07/06/2016

"Mães reais"

Não gosto de expressões deste tipo, soa-me ao estilo "corpos reais", tudo o que não se encaixa na maioria é tido como menos válido. No que toca à maternidade, sinto-me um pouco desenquadrada da dita realidade que muitas mães falam. Ao contrário das histórias de terror que o pessoal adora partilhar, o parto correu-me bem. O pós-parto também. Ao contrário do que pensava, não engordei muito e recuperei rapidamente. O facto de ter boas noites desde os 3 meses do pequenote também parece-me (ou fazem-me parecer) que é um acontecimento raro no mundo da maternidade! O que foi difícil para mim e que partilhei foi o nascimento antecipado do meu bebé e seu internamento que, felizmente, a maioria das grávidas não sabe o que isso é. Mas esta é a minha realidade, pode não ser a mais comum mas não deixa de ser real.

Pessoalmente, não tenho problemas em partilhar o lado bom e menos bom da minha experiência enquanto mãe. Para além das coisas boas (que felizmente são a maioria), não me inibo de partilhar os meus medos e acontecimentos menos bons. Nem os apago! Não podemos exigir "mães reais" quando temos medo da opinião dos outros, quando só partilhamos o lado bom da maternidade! É preciso acabar com a vergonha de relatar as nossas experiências menos boas, do policiamento que parece existir no mundo da maternidade, de começar a aceitar que cada mãe é uma mãe e que cada bebé é um bebé, que não há formulas mágicas para saber lidar com certas situações.

É preciso não romancear tanto esta fase. Quantas e quantas vezes não ouvimos ou lemos algo como «coisas que me deviam ter dito antes de engravidar»? Relatos de mães que só ouviram o lado bom e depois quando passaram por elas quase que foram atropeladas pela realidade? Eu não sei se estou rodeada pelas pessoas certas (lol) mas comigo foi o contrário, o pessoal fazia questão de frisar o lado mais negro da coisa, só diziam coisas como "o teu corpo nunca mais vai ser o mesmo", "vais te sentir um hipopótamo", "diz adeus às compras para ti, às viagens, aos momentos a dois", nunca mais vais voltar a dormir uma noite seguida", "sexo? aproveita mas é para dormir." Depois desta partilha ainda há quem se espante quando alguém diz que não quer ser mãe! Cheguei à conclusão que não há nada mais anti-natalidade do que certas mães a falar! (Desconfiem, se fosse tudo tão mau ninguém se aventurava no segundo!) :) Depois desta dose de "realidade" que sempre ouvi falar, preparei-me para o pior esperando o melhor. E correu bem melhor do que esperava. O problema é quando acontece o contrário, quando as pessoas só pensam no lado bom da maternidade, talvez seja um pouquinho por isso que aparecem depois as depressões pós-parto!

Há que entender uma coisa, há quem fale apenas no lado bom e há quem fale apenas do lado mau, cabe-nos a nós entender que nem tudo é um mar de rosas nem um filme de terror como muitas vezes pintam. Seria bom que houvesse um equilíbrio na troca de experiências para não assustarmos nem iludirmos ninguém.

3 comentários:

andorinha disse...

Plenamente de acordo! Penso exactamente da mesma forma :)

Camille disse...

Não acrescento mais nada! Disseste tudo! ;)

A Pimenta* disse...

No meu caso, não me reforçaram nunca o lado menos bom da maternidade (talvez porque fui a primeira amiga a ter filhos) e portanto confesso que os primeiros tempos foram um choque tremendo para mim. E pensando bem, os primeiros tempos foram terríveis mesmo, quando comparados com a fase atual em que a minha filha está. Agora já há birras e etc mas prefiro esta fase do que quando ela era bebé. Claro está que há uma infinidade de boas coisas que a maternidade trouxe, também não podemos exagerar e achar que tudo é mau. É uma grande mudança na vida de uma pessoa.