30/06/2016

Um dia doce (33º)

E para finalizar o mês de Junho, partilho o bolo de aniversário improvisado do meu amor grande. Ele tirou o dia para estar só connosco, num programa em família :) Não quis festas, nem bolo de aniversário, mas eu não podia deixar passar esse dia em branco, sem lhe cantar os parabéns, por isso improvisei um bolo de panquecas de chocolate para começar bem o dia, de forma doce!

Pressões sociais

Ainda não começaram com as perguntas chatas de "para quando é o segundo?", como ele ainda não tem um ano devem-me estar a dar uma pausa, mas sofri durante anos com a pergunta "filhos, para quando?". E apesar de ainda não terem voltado à carga com estas intromissões e pressões parvas sobre assuntos que só ao casal diz respeito, o que é certo é quando falam com a minha mãe (comigo ao pé, faz de conta que não existo!), perguntam-lhe se é o primeiro neto! Sou filha única e o pessoal já está naquela que haverá mais. Na altura em que não pensava ter filhos já as pessoas andavam preocupadas com o facto de não os ter, "tu vê lá, não sejas mãe tarde para não teres o segundo já velha". A sério? Uma pessoa não está virada para um e já lhe estão impingir dois?!

A sociedade exige dois filhos, de preferência um casal (vai-se lá entender), se tivermos só um é porque somos uns egoístas, devíamos dar o melhor do mundo ao nosso filho que é um irmão. Tendo em conta que tem havido uma explosão de gémeos à minha volta, fiquei a saber que aos casais que têm logo gémeos levam com comentários "ao menos ficam logo despachados". É que tirem o cavalinha da chuva se pensam em ter mais algum, serão considerados doidos! Para quem já tinha um filho e agora saiu a dobrar é visto como os "coitadinhos" ao estilo dois é bom, três já é demais. Quem tem mais de dois um a um é mesmo considerado um inconsequente para os dias que correm, como dizem "a vida não está para muitos filhos". E quem diz que não quer ter filhos? Esqueçam, o melhor é nem abrir a boca senão sentem-se um ET.

Pessoalmente, já ando a treinar a minha paciência para quando começar o novo massacre. Inspira, expira ... [Não é que esteja fora de questão ter mais filhos, isso só o futuro dirá, mas chateia-me essas perguntas chatas, essas pequenas intromissões na vida alheia, porque quantos e quando é coisa que só diz respeito ao casal. E se uma pessoa diz que até prefere ter filhos com uma certa distância de idades também deve ser considerada maluquinha!]

29/06/2016

É difícil ...

É difícil actualizar este blogue quando não paramos muito tempo em casa, a aproveitar o bom tempo, a dar um giro pelos saldos (filhote leva um bom avanço, mãe quase a zeros), a apanhar muito sol na mioleira ao ponto de fundir os fusíveis, quando chego a casa já não dá para escrever nada. Às vezes, quando tenho forças ainda passo pelo blogue e começo a rascunhar alguns pontos que quero registar mas nunca saí um texto coerente de tão cansada que estou! 

Face a isto, também é difícil seguir uma alimentação saudável quando passamos a vida na rambóia, a petiscar por aí. Sempre tive o hábito de almoçar/jantar fora muitas vezes, pensei que isso iria abrandar com a chegada do pequenote mas não, como ele adora passeio e porta-se sempre muito bem, continuamos a pecar. É muito mais difícil manter uma alimentação saudável fora de casa, tenho por hábito pedir o que não costumo comer por casa para desenjoar. Um dos maiores entraves aos meus objectivos e algo que tenho de melhorar, será certamente as minhas escolhas fora de casa, ou reduzir drasticamente o número de vezes que almoço/janto fora. Sei reconhecer o centro do problema mas melhorar é que vai ser difícil, trata-se de algo que adoro ... (ontem o sushi e o gelado estavam óptimos!) :)

Vida difícil! 

22/06/2016

Novas gracinhas

[Aos 10 meses]

  • Já faz adeus. Mas ao seu estilo!
  • Já estica os braços a pedir colinho (Derreto-me toda!) :)
  • Não anda nem gatinha, mas faz marcha-atrás!
  • Já abre gavetas. Perigo à vista.
  • Prefere os comandos, telemóveis e portátil aos seus brinquedos. Quem quiser renovar a tecnologia lá de casa é só passar-lhe para as mãos!
  • Acha graça deixar cair as coisas para os pais apanharem um milhão de vezes.
  • Tem um tapete de borracha com letras e números para brincar em cima dele em segurança mas ele acha mais giro rebolar-se para o chão. Ou arrancar as peças e trinca-las! 
  • Começa a entrar naquela fase que uma pessoa até estranha quando o silêncio reina nesta casa, quando não o oiço a brincar é porque foi explorar outra coisa qualquer (normalmente o que não deve).
  • Já lhe noto um altinho na gengiva, adeus sorriso desdentado (snif, snif).

Como começar bem o verão ...


Ganhar três bolhas na sola do pé num dia e no outro um joelho e cotovelo todo esfolado, fruto de um trambolhão. Espatifei-me toda na praia para proteger o pequeno que estava ao meu colo. Ele safou-se, eu mal me mexo! Pareço uma pata choca a andar.
Apesar de tudo, a vida nunca foi tão linda como nesta altura do ano :P

16/06/2016

9 meses depois ...

Dizem que o corpo de uma mulher grávida modifica-se ao longo de 9 meses e leva outros tantos para voltar ao lugar. Eu sou daquelas que gostava de ter a desculpa de estar como estou devido à gravidez mas não :) Engordei apenas 6kg e perdi-os na primeira semana pós-parto, um mês depois a barrigona insuflada. Uma vez que tenho tendência para engordar nem sei como consegui tal proeza, se não sou adepta de dietas não foi durante a gravidez que fechei a boca, apenas evitei o que me foi aconselhado porque não era imune à taxoplasmose. 

Portei-me muito bem (ter enjoado e vomitado os primeiros 4 meses e não ter chegado aos nove meses também ajudaram!). Nunca tive vontade de comer por dois (erro que as pessoas mais antigas aconselham), nem tive desejos especiais.O meu cunhado até ficou desapontado comigo por não ter inventado nenhum desejo mirabolante para dar conta da cabeça ao irmão a meio da noite! Só para o final da gravidez é que ganhei mais apetite, tanto que as minhas vizinhas de quarto (do período em que estive internada para ver se ele não nascia antes do tempo) queixavam-se todas da comida de Hospital e eu não, estava tudo muito bom, pena não ser mais :) Tudo o que ganhei foi para a barriga - e que senhora barriga! - que, felizmente, não ganhou nenhuma estria. Mesmo em repouso e com mais apetite a coisa não descambou para o fim. Safei-me.

A fome só veio com a amamentação, ganhei 4kg durante esse período. Há quem emagreça dando de mamar mas a mim deu-me para engordar. O que fazer? Sou do contra! Quando ele começou a rejeitar a mama acabei por os perder, apesar de ter sido com mais dificuldade.

Não me posso queixar das "sequelas" da gravidez, rapidamente fui ao lugar, a única coisa que me falta perder são uns centímetros na cintura que teimam em não desaparecer (a barrigona não afectou-me muito a anca, mas sim a zona da cintura - o volume!), e perder mais uns quantos quilos que já cá estavam antes da gravidez. (Filho, a culpa não é tua! Eu não sou a desmiolada da tua avó que passados 30 anos ainda me culpa por ter engordado!). 

A minha luta começa agora!

15/06/2016

Il Divo

O concerto da minha vida. 
Amei. Amei. Amei.

[Ele foi um pouco por arrastão - os sacrifícios que este homem faz por mim! - mas acabou por adorar. Fomos surpreendidos pela positiva, para além das magnificas vozes (mesmo ao vivo), eles demonstraram ser um quarteto super simpático e brincalhão. Uma noite memorável.]

10/06/2016

Planos para este fim-de-semana grande


  • Receber o trabalho final da nossa sessão fotográfica que realizamos na semana passada. Já recebi umas amostras para matar a minha curiosidade e adorei. Ansiosa para ver o resto!
  • Aproveitar para reunir mais umas quantas fotos para imprimir, quero dar um novo ar às molduras cá de casa. Sou uma desleixada no que toca à impressão de fotos.
  • Pôr os pés na praia pela primeira vez este ano. Aproveitar estes fins de tarde tão bons para passear junto ao mar.
  • Ir a um concerto que já sonho há algum tempo! Já coloquei lembrete no telemóvel para não me esquecer. Ando com o pressentimento que chega o dia e puff, esqueço-me. 
Divirtam-se!

08/06/2016

Doce de nêspera

Esta é uma receita Bimby que encontrei aqui mas que se adapta facilmente à Yammi. Apenas não precisei de programar os 15minutos finais, gostei logo da consistência do doce.

"Começar por limpar e arranjar as nêsperas. Colocar no copo da Bimby, juntamente com os açúcares e o sumo de limão. Programar 30seg., vel. 5. Juntar o pau de canela e programar 30 min., temp. 100, vel. 2, retirando o copo e colocando o cesto sobre a tampa. Como ficou ainda bastante líquido, programei mais 15 min., temp. varoma... e ficou no ponto!"

Gostei desta experiência com receitas de nêsperas, o bolo e este doce ficaram muito bons e foram uma óptima maneira de evitar o desperdício.

07/06/2016

"Mães reais"

Não gosto de expressões deste tipo, soa-me ao estilo "corpos reais", tudo o que não se encaixa na maioria é tido como menos válido. No que toca à maternidade, sinto-me um pouco desenquadrada da dita realidade que muitas mães falam. Ao contrário das histórias de terror que o pessoal adora partilhar, o parto correu-me bem. O pós-parto também. Ao contrário do que pensava, não engordei muito e recuperei rapidamente. O facto de ter boas noites desde os 3 meses do pequenote também parece-me (ou fazem-me parecer) que é um acontecimento raro no mundo da maternidade! O que foi difícil para mim e que partilhei foi o nascimento antecipado do meu bebé e seu internamento que, felizmente, a maioria das grávidas não sabe o que isso é. Mas esta é a minha realidade, pode não ser a mais comum mas não deixa de ser real.

Pessoalmente, não tenho problemas em partilhar o lado bom e menos bom da minha experiência enquanto mãe. Para além das coisas boas (que felizmente são a maioria), não me inibo de partilhar os meus medos e acontecimentos menos bons. Nem os apago! Não podemos exigir "mães reais" quando temos medo da opinião dos outros, quando só partilhamos o lado bom da maternidade! É preciso acabar com a vergonha de relatar as nossas experiências menos boas, do policiamento que parece existir no mundo da maternidade, de começar a aceitar que cada mãe é uma mãe e que cada bebé é um bebé, que não há formulas mágicas para saber lidar com certas situações.

É preciso não romancear tanto esta fase. Quantas e quantas vezes não ouvimos ou lemos algo como «coisas que me deviam ter dito antes de engravidar»? Relatos de mães que só ouviram o lado bom e depois quando passaram por elas quase que foram atropeladas pela realidade? Eu não sei se estou rodeada pelas pessoas certas (lol) mas comigo foi o contrário, o pessoal fazia questão de frisar o lado mais negro da coisa, só diziam coisas como "o teu corpo nunca mais vai ser o mesmo", "vais te sentir um hipopótamo", "diz adeus às compras para ti, às viagens, aos momentos a dois", nunca mais vais voltar a dormir uma noite seguida", "sexo? aproveita mas é para dormir." Depois desta partilha ainda há quem se espante quando alguém diz que não quer ser mãe! Cheguei à conclusão que não há nada mais anti-natalidade do que certas mães a falar! (Desconfiem, se fosse tudo tão mau ninguém se aventurava no segundo!) :) Depois desta dose de "realidade" que sempre ouvi falar, preparei-me para o pior esperando o melhor. E correu bem melhor do que esperava. O problema é quando acontece o contrário, quando as pessoas só pensam no lado bom da maternidade, talvez seja um pouquinho por isso que aparecem depois as depressões pós-parto!

Há que entender uma coisa, há quem fale apenas no lado bom e há quem fale apenas do lado mau, cabe-nos a nós entender que nem tudo é um mar de rosas nem um filme de terror como muitas vezes pintam. Seria bom que houvesse um equilíbrio na troca de experiências para não assustarmos nem iludirmos ninguém.

06/06/2016

Para este mês ...

Ando tão concentrada a dar início à preparação das duas festinhas do meu amor mais pequenino que quase me ia esquecendo da festa de aniversário do pai ... este mês! [Desculpa-me meu amor maior!] Ainda vou mais do que a tempo, para nós não há grandes temas nem convidados, mas tenho de pensar no que irei fazer para o bolo. Não tenho nenhuma ideia em concreto mas acho que me vou virar para um bolo simples, sem massapão.

[Imagem: daqui]

02/06/2016

Do dia da Criança














És o melhor do nosso mundo, contigo recordamos o quão bom é ser criança e queremos proporcionar-te uma infância feliz como a nossa, cheia de boas recordações em família. Sabes, nós não temos programas nem presentes especiais para o dia do pai, da mãe, da criança porque desde que somos teus pais todos os dias são especiais, todos os dias são dias de mimo, de brincadeiras, de passeios, de ter tempo para estar em família. O mais importante para nós, o que celebramos todos os dias.

Aproveita bem esta etapa, meu amor pequenino :)