07/05/2016

Blacky

Em Maio de 2012 este matulão entrou nas nossas vidas, tinha ele 9 meses. O meu marido adoptou-o para me oferecer, ele sabia que adorava labradores. Veio com o rabinho entre as pernas, com medo, mas depressa se ambientou ao seu novo lar. Era a alegria de todos, muito calmo mas ao mesmo tempo cheio de vida, só queria brincadeira, mimos e companhia. Era muito sociável, mesmo com gatos! Uma paz de alma, muito doce.

No inicio deste ano, foi-lhe diagnosticado insuficiência renal. (Tão novo ...). Andou dois meses e picos em internamento. A conta a disparar e as nossas esperanças a diminuir, nada de melhoras, pelo contrário, passou a vir cada vez mais cabisbaixo (quem é que gosta de passar tantas horas enjaulado?) e magro. Por recomendação, ele passou a comer ração especifica para o seu problema, não podia comer mais nada. Lá fomos nós comprar sacas de ração caras p'ra burro (para cima de três dígitos!). Não gostou de nenhuma. Devemos ter comprado todas as opções de mercado e ele nada. O pouco que comia era pela goela abaixo porque tinha que se alimentar! Emagreceu a olhos vistos. Passou dos seus formosos 40kg para uns 28kg sem energia. Pouco andava, era um castigo fazê-lo subir para o carro, dormia muito ... Já não era o mesmo Blacky. Face a isso, nova recomendação: "dê o que quiser, ele precisa de comer para ganhar peso" (rir para não chorar!). Mas aqui ele já estava tão fraquinho que já não aceitava nada, tinha de ser tudo triturado e dado à seringa, perdeu o apetite de vez.

Dizem que uma das consequências da insuficiência renal é a anorexia. Perante este cenário, falou-se em eutanásia ... Dissemos que não, nós iríamos tentar mais um tempo. Deixou os internamentos, não estavam a fazer efeito e desconfiávamos que passar muitas horas longe de nós e enjaulado só piorou a sua condição. (Uma pessoa tenta fazer o bem mas depois vê que não tem resultado). Começamos a fazer o tratamento em casa, mesmo com o soro e não sei quantos medicamentos à mistura. Íamos todas as semanas à clínica para fazer novos exames. Os valores estavam melhores, a esperança renasceu.

Sabíamos que já não seria o cão de outrora, afinal ele tinha uma doença crónica, mas tínhamos esperanças que ele melhorasse e tivesse qualidade de vida até onde desse, mesmo que a sua esperança média de vida tenha diminuído. Na última consulta mudaram a medicação, no dia seguinte ... Quando menos se previa, quando tudo estava a melhorar. Esperávamos o pior umas semanas antes, quando não víamos melhoras. Esperávamos o pior no futuro, mesmo que próximo, porque tínhamos consciência que já não chegaria perto dos 12 anos (+/- a média de vida de um cão de porte médio). Mas não esperávamos o pior agora, quando, finalmente, víamos resultados!

Iria fazer dia 15 deste mês quatro anos em que estava connosco. Dia 1 (o dia da mãe) partiu. Tão novo ... Foi um dia de merda. E é só isso que me apetece dizer, que grande merda! Tão novo ...


(Um dia, o pequeno irá pedir-nos um cão e eu não sei se serei capaz de passar por outro desgosto. O Blacky era mesmo um cão muito especial, muito doce, que ressonava como gente grande!, e não me irei recompor tão depressa desta perda. Só quem tem um grande amor aos animais sabe o quanto custa. Presentemente digo que já não quero mais, quando os gatos partirem, a loja fechou. É bom tê-los, mas quando partem ... ainda por cima antes do seu tempo ...)

10 comentários:

A Pimenta* disse...

Nunca tive nenhum cão porque tenho muito medo deles. Mas reconheço que ter animais de estimação, sejam cães, ou outro animal doutra espécie, quando eles partem deve ser um desgosto imenso. Resta-te a consolação de saber que fizeste todos os possíveis para que ele recuperasse. Foste uma dona exemplar!

Diana Machado disse...

Custa tanto, é partir um dos nossos. Força, um beijinho.

Gorduchita disse...

Lamento a tua perda.
Quem ama, cuida, e foi o que fizeram. Tenham esse consolo e pensem que agora não sofre mais.
Quem sabe com o tempo, ganhas coragem de voltar a ter um.

Alex disse...

Custa tanto! Já passei por isso. Tens que fazer o luto até voltares a ter outro!

Sónia RM disse...

As lágrimas teimaram em cair. Duas semanas antes da minha M. nascer a Kika (a minha mini labradora) ia morrendo, foram dias horríveis em que chorei tanto com medo de a perder. Eles fazem parte da nossa família e só quem tem a sorte de ter um "amor" assim consegue entender.. Beijinho e muita força**

Xica Maria disse...

Eu a pensar que ia ler um desfecho feliz... fiquei tão triste. É horrivel perdermos um amigo. Porque é mesmo isso que se trata, de um verdadeiro amigo.

Maria disse...

nem consigo imaginar a tua tristeza... tenho uma puca igual ao teu Blacky. Um beijinho muito grande

Evy Percebes disse...

Um grande abracinho para ti. Não é fácil, eles são como nossos filhos :(
Beijinhos

Camille disse...

Lamento muito... Sei o que é perder um animal de estimação, por isso percebo o que sentes...

Beijinhos :)

AMOR XXS disse...

Obrigada pelas vossas palavras, é uma perda muito grande, ele faz muita falta. Agora é só dar tempo ao tempo, dizem que ajuda a atenuar certas dores.

Beijinhos.