31/03/2016

Mudança de quarto

Ando a adiar o inevitável mas dá-me um aperto no coração só de pensar que ele vai deixar de estar aqui ao meu lado, de poder levantar a cabeça e contempla-lo junto a mim. Nunca pensei que até nisso ia-me custar tanto! Durante a gravidez tinha estipulado muda-lo aos 3 meses. Ele já dormia as noites todas mas muito pontualmente ainda choramingava durante a noite. Não aconteceu. Dos 3 passou para os 6 meses. Com o frio veio a fanhozice e achei por bem mantê-lo por perto para o ouvir. Não aconteceu. A nova meta é proceder à mudança até aos 9 meses. As noites já vão ficando menos frias para o caso de ter que me levantar; ele, regra geral, dorme bem, e tenho mais algum tempo para mentalizar-me. Vamos lá ver se não arranjo mais nenhuma desculpa para o manter junto de mim ... Apesar de andar a engonhar, não queria arrastar por muito mais tempo esta transição, penso que quanto mais tarde for, pior será porque ele começa a aperceber-se do meio envolvente, pode estranhar a mudança.
O quartinho já há muito está operacional para o acolher, o colchão do berço até é melhor, decidimos investir num bom colchão. No berço tem lá um móbil giro que espero que o ajude a adormecer sozinho, sem festinhas e cantigas, quero ver se fica mais autónomo para o caso de acordar durante a noite saber auto-acalmar-se. Vamos lá ver quando e como a coisa se dá!

30/03/2016

Os últimos dias ...

Passeamos por terras vizinhas // Matámos saudades da nossa hamburgueria de eleição // Passamos uma Páscoa feliz // Esta mãe babada montou um mini cenário caseiro para registar a primeira Páscoa do filhote // Experimentei um novo restaurante de Sushi  // Um pequeno-almoço por aí, um lanche por acolá, tem-se aproveitado a vida e o bom tempo, desculpem a ausência.

24/03/2016

A preparar-nos para o bom tempo ...

[1-2] Mayoral [3] H&M [4] C&A e Zara Kids

[1-3] Charanga [4] Chicco

Conheço alguém que vai ficar ainda mais um borracho :)

23/03/2016

Aqui que ninguém (praticamente) me ouve

Sempre achei o que as outras pessoas dizem sobre mim um reflexo daquilo que elas são! Sei que os meus infortúnios causam gozo e alegria a alguém (e a minha felicidade ... ui!), mas eu não pude deixar de ficar feliz por alguém que tem uma espécie de embirração para com a minha pessoa e esperar, muito sinceramente, que não passe pelo mesmo que eu. A minha felicidade não é construída com base na desgraça alheia e eu espero que nenhuma mulher viva as incertezas que eu vivi. Como costuma-se dizer, há coisas que não desejamos nem aos nossos piores inimigos, mesmo que os outros não olhem a meios para nos atingir! Mas não faz mal, eu acredito que as acções ficam com quem as pratica. 

E aqui que ninguém me ouve, talvez seja uma tonta por alegrar-me por quem já tentou beliscar a minha felicidade, mas se há coisa que nada nem ninguém me tira são os meus princípios, algo que muita gente não sabe o que é. É que apesar de tudo, da vida passar-me rasteiras, de ter o dissabor de conhecer pessoas de má índole, eu não me deixo amargurar, não sou do tipo vingativo. Sempre me regi pela máxima não faças aos outros aquilo que não gostavas que fizessem a ti. E nem desejo aos outros aquilo que não quero para mim.

Eu não digo isto porque quero um lugar no céu, digo isto porque quero paz na terra, que me deixem em paz e, sobretudo, sentir-me em paz. É tão bom sentir-me leve! É tão não nos deixarmos afectar por energias negativas de terceiros, nem responder na mesma moeda para mais tarde não nos arrependermos porque essa não és tu, é aquilo que os outros querem fazer de ti! É tão bom sermos fieis a nós próprias! 

21/03/2016

O primeiro iogurte

A primeira vez que eu experimentei um iogurte natural sem adição de açúcar devo ter feito uma grande careta, aquilo tinha um travo amargo que se farta. Se comprei aqueles numa de fazer bem, que eram mais saudáveis, acabei por dar-me mal porque só comi o resto com algumas colheradas de açúcar lá para dentro. Não valeu de nada. Dia 16, o meu pequerrucho provou o seu primeiro iogurte (natural sem adição de açúcar, como recomendado), e eu já estava a imaginar o filme. Tinha a máquina fotográfica a postos para registar a "cena" e ... sem acção, ele gostou! Também gostou da bolacha, é um "rapa tachos".

Isto só me faz pensar que nós, adultos, estamos completamente viciados no açúcar, já não conseguimos apreciar o verdadeiro sabor dos alimentos sem temperos e porcarias. 

20/03/2016

O (primeiro) dia do pai

Conhecer uma nova pizzaria / Passear no parque /
Apresentar-te novos animais / Ver a primavera em flôr.

O ano passado ainda eras um papá em estágio com o filhote no forninho, hoje podemos dizer que és um pai com P grande.

(Um beijinho a todos os pais que se preocupam e cuidam dos seus filhos. Um beijinho especial ao meu pai e ao do meu filho)

18/03/2016

Mãe a tempo inteiro


Todos me dizem para aproveitar bem estes primeiros tempos porque é uma fase muito especial e eles crescem num instante. E é isto que eu quero fazer, quero estar presente 24h por dia, ver as primeiras experiências e gracinhas, ter tempo para ele, não viver preocupada se dormi mal porque amanhã tenho de trabalhar e ser produtiva, de viver com saudades do seu cheiro e com medo de perder algo importante. Quero estar lá todos os dias, a toda a hora.

Esta opção já estava tomada quando decidimos engravidar, passei uma gravidez tranquila graças a isso e o seu nascimento antecipado só veio reforçar a nossa opção - o melhor para ele era ficar comigo em casa, sendo prematuro as suas defesas são mais fracas e, por isso, não era boa ideia pô-lo numa creche. Sempre que vou a uma consulta perguntam-me se ele já anda numa creche, respondem-me sempre "boa, faz bem em ficar com ele em casa". Nem quero imaginar se tivesse de voltar agora ao trabalho, acho muito cedo, ele é tão pequeno, só de pensar dá-me um aperto no coração. Todas as mães deviam ter a opção de ficar em casa até pelo menos um ano!

Sinto-me uma sortuda por poder estar com ele a tempo inteiro, algumas pessoas apoiam mas outras não entendem esta opção, ainda para mais quando temos um curso superior! Cheguei a trabalhar na área e sempre fiz aquilo que gostava, sempre trabalhei em part-time, em casa, e os meus horários sempre foram flexíveis, uma maravilha! Mesmo assim, com todas estas vantagens, sentia que não era a mesma coisa, que iria viver sempre preocupada em apresentar trabalho e eu só queria que a minha única preocupação fosse o meu filho, estar lá a 100% para ele. Ele é o meu único trabalho, o mais cansativo mas também o mais gratificante, o que me preenche e deixa realizada. Ser, por enquanto, "apenas" a sua mãe basta-me. Não me sinto menos que ninguém por não ter, presentemente, nenhuma profissão, tal como não me sinto melhor mãe só porque estou com ele a tempo inteiro. Sinto-me apenas feliz com a vida que escolhi.

Não serei mãe a tempo inteiro para o resto da vida, até porque eles crescem e querem que a mãe pare de ser chata, mas presentemente sei que esta foi a (nossa) melhor escolha.

[E, felizmente, tenho um marido que sabe dar-me valor, que não julga que passo o dia inteiro em casa a ver filmes e a comer pipocas. Obrigada por tudo]

(Imagem 1)

Coração de mãe sofre ...

Sei quando ele chora com birra, de sono, de fome, de incomodo, e sei perfeitamente quando chora com dores. Custa-me tanto perceber que está a sofrer e não poder tirar-lhe as dores e passa-las para mim. Os dentinhos ainda não apareceram mas devem estar a fazer moça. Ele já não chucha, ele morde a chucha! Massaja as gengives com os dedinhos, saliva muito e engasgasse  muito. 

Para piorar a situação, anda ranhozito e começou a dormir mal. Passamos uma noite de merda. Não acorda durante a noite, mas ouvimos a sua aflição em respirar mal, a sua agitação a mexer-se na cama. Meto-lhe soro para aliviar mas não resulta muito. Lembro-me da cebola, há uns tempos, quando ainda dava de mamar, coloquei uma cebola partida em quatro no nosso quarto para ajudar a limpar as vias respiratórias, na altura não podia tomar nada. Resultou. Resultou no pequeno! Eu fiquei na mesma mas parece que a cebola limpou-lhe tudinho lá dentro, nem me tinha percebido o quanto ele estava atacadinho! Vamos lá ver se desta vez faz o mesmo efeito.

Ontem levou mais uma vacina do PNV, agora só volta às picas quando fizer um ano. Vamos lá ver se não faz febre, só faltava cá essa. 

Sei que são situações normais, mas custa-me tanto vê-lo em baixo de forma. Dou-lhe mimos, muitos mimos, e alegra-me saber que o meu colinho acalma-o. E os seus sorrisinhos e ar sereno acalmam o meu coração.

17/03/2016

Yammi, yammi

O meu marido ofereceu-me uma Yammi durante a gravidez. Para ele, que já andava a namorar um robot de cozinha há não sei quanto tempo, era um item indispensável na lista do enxoval do bebé! Eu não estava para ali virada, mas ele fazia questão, que iria ser uma boa ajuda, que iria poupar tempo, a comida assim não corria o risco de queimar ou transbordar panela à fora, que iria começar a cozinhar, lálálá. Lá acedi, para delírio da criança grande!
Como já calculava, não tenho utilizado muito, durante a gravidez experimentei um prato ou outro para aprender a mexer na maquineta e para entender o seu funcionamento sem ter que recorrer constantemente ao livro de receitas, mas pouco uso lhe tenho dado para além das massas (nunca mais comprei bases para pizzas e quiches) e das sopas que ficam mais cremosas. Mas quero ver se mudo isso e se me dedico mais à cozinha, algo que adoro mas que tenho delegado.

Experimentei fazer o Bacalhau com Broa e Salsa e está aprovado. Apenas não coloquei as azeitonas e utilizei o molho bechamel que já tinha quase a passar de data - para a próxima faço o caseiro da receita.

[Foto tirada antes de ir ao forno]

16/03/2016

Se não morro da doença, morro da cura!

Sou daquelas pessoas que tem de partir a medicação em vários pedacinhos para que passe da goela, caso contrário é engasgamento na certa. Andei a antibiótico, parti-o em quatro partes e mesmo assim ... Nestes casos, ele só sai de casa depois de eu tomar a medicação, não vá acontecer o pior, como muitas vezes pensei que acontecesse com ele aqui ao lado! [Como eu detesto tomar medicação]

14/03/2016

Aproveitar.

Aproveitar as oportunidades que a vida nos dá ...
Aproveitar os primeiros raios de sol para chegares a estrear a roupa mais fresca e toda catita que a tua avó ofereceu-te para os teus 6 meses. Estávamos todos com fé que ficavas na barriguinha até ao fim do tempo, que farias os 6 mesitos em Maio ... só que não! Toca a fazer a dança do sol, de arranjar soluções para estreares todos os conjuntinhos lindos que estão à tua espera (e do bom tempo!): vestir camisas de manga comprida por debaixo de t-shirts, collants por debaixo de calças mais finas, conjugar roupa mais quentinha com a mais fresca, etc, etc, etc!
Aproveitar esta pré-Primavera para matar saudades das refeições numa esplanada, de passear, de deixar os casacões em casa, de tirar muitas fotos no exterior.

Aproveitar.

10/03/2016

Agenda

Este ano decidi comprar uma agenda em papel. Adoro-as mas nos últimos anos tenho optado pela agenda do telemóvel porque a minha cabeça de vento precisa de alarmes para relembrar-me dos meus compromissos, mas como parte dos meus afazeres para 2016 passam por coisas para o meu filhote, não preciso de alarmes, estou sempre em cima das datas. E mal bati os olhinhos nesta agenda decidi que seria este ano que iria voltar às agendas em papel - é tão a minha cara!

Ontem tive carta branca para registar a primeira parte das nossas férias, as que sobraram do ano passado, e mal posso esperar para que chegue esse dia. [A precisar urgentemente de mimos 24h por dia - só de pensar fiquei bem melhor]

[Que 2016 tenha muitas páginas preenchidas de bons momentos, cheios de emoções e novas experiências. Que risque todos os objectivos a que me propus na primeira página deste ano!]

09/03/2016

E quem é que cuida da mãe?

Ficar doente passa a ser um luxo depois da maternidade do qual temos que evitar porque já não há cá oportunidades de enfiar na cama até melhorar, de descansar o dia inteiro. É cansativo ter de cuidar de alguém quando nós próprias precisamos de cuidados. Só me posso dar ao "luxo" quando ele chega do trabalho, até lá só espero que não me dê nenhum fanico quando estou com ele sozinha em casa. O que me vale é que tenho sempre alguém pronto a acudir, caso vá a tempo de telefonar!
[Às vezes, as mães só querem colinho das suas mães ...]

Se a maternidade também tem o seu lado chato, esta é, para mim, o pior deles!

07/03/2016

O ninho continua a ser decorado

Por aqui, continuamos a decorar o quarto do pequeno. A pouco e pouco as minhas ideias começam a sair da minha cabeça para aquelas quatro paredes. Ele continua a dormir no nosso quarto, por isso tenho feito as coisas com calma, a aproveitar bem esta fase tão gira que é montar o ninho, a pesquisar e a seleccionar bem as ideias (há tanta coisa fofa para eles que uma pessoa fica perdida e/ou corre o risco de cometer excessos na decoração por querer incorporar tudo!).
Andava com estas árvores decorativas debaixo d'olho mas estava difícil de encontrar uma que preenchesse os meus requisitos. Não queria em autocolante, nem pintadas porque não tinham relevo - e esta última daria muito trabalho para não borrar a pintura e se me fartasse rapidamente daquilo lá teríamos que pintar novamente as paredes. Na loja Casa encontrei uma árvore em MDF muito gira para colar à parede. O melhor disto tudo é que estava a 70% desconto - como eu adoro encontrar aquilo que quero e preciso a menos de metade do preço, ganho logo o dia! Falta-me pintá-la (é branca e como vou colocar na parede branca quero dar-lhe uma corzinha) e comprar umas três prateleiras em tons de madeira.
O quartinho dele começa a ser a minha divisão preferida da casa! - é tão bom estar no mundo dos pequeninos :)

Março, sê bom!


Este mês é repleto de celebrações. Temos o Dia da Mulher já para amanhã; para a outra semana o Dia do Pai; e para os finais o início da Primavera e a Páscoa. Pelo meio ainda há aniversários! Para completar este quadro de celebrações, só cá faltava uma boa noticia que tanto aguardamos para o nosso amigo de quatro patas. Estamos todos a fazer figas por ti. 
Março, não te peço mais nada, só mais uma boa noticia para juntar ao rol de celebrações!

04/03/2016

Amamentação & Diversidade alimentar

Dei de mamar praticamente até aos quase cinco meses. Tinha como objectivo mínimo os seis mas ele recusou-me a mama, era o berreiro cada fez que o punha a mamar. E o mesmo para o biberão. Foi uma altura difícil, já via a minha vida a andar para trás. Não se pode dizer que ele deu uma de mandrião - costuma-se dizer que assim que eles tocam no biberão rejeitam a mama por ser mais fácil -, até porque ele começou pelo biberão devido à sua prematuridade e só depois habituou-se à mama, e quando rejeitou, rejeitou os dois. Acho que apanhou um enjoou de leite!

Fiquei triste por ter recusado a mama tão cedo no sentido que sabia que era o melhor leite que podia oferecer ao meu filho, e não por achar que iríamos perder algum laço, de deixar de sentir-me mais próxima dele. Para ser sincera, só insisti na amamentação por reconhecer todas as vantagens do aleitamento materno e não por achar o acto dar de mamar maravilhoso. Sempre me senti próxima do meu filho oferecendo uma mama ou um biberão. Talvez a sua prematuridade tenha influenciado a minha "disposição" em dar de mamar, durante o seu internamento eu só queria que ele aprendesse a alimentar-se sozinho para vir para casa. Se antes de dar à luz fazia questão em amamentar em exclusivo, na altura eu queria lá saber se ele bebia leite materno, de lata ou uma açorda, só queria que ele ficasse bem. Acho que todos os obstáculos que enfrentei pela sua chegada antecipada contribuíram para não considerar a amamentação uma experiência tão boa como muitas mães dizem ser! Para mim, foi uma experiência muito cansativa e, por isso, até fiquei aliviada quando ele começou a rejeitar-me o peito (apesar nessa altura já estar tudo estabilizado, ainda perdia imenso tempo na bomba, até porque eu não gostava de amamentar em público, por isso tinha de retirar). Caso tenha mais filhos vou voltar a insistir na amamentação, é cansativo (mas, felizmente, nunca me foi doloroso), não acho que crie mais laços por isso, mas porque acredito que o nosso leite é o melhor para eles. (Atenção, nada contra quem decida não amamentar as suas crias!)

Em relação à iniciação das papas e das sopas, posso dizer que até correu bem. A dois dias dos cinco meses iniciamos as papinhas sem glúten durante uma semana. Os dois primeiros dias foram um desastre, rejeitava. (E eu a ver a minha vida a andar muiiittoooo para trás - não quer leite, não quer papas ... ai,ai) Depois lá foi comendo. Uma semana depois iniciamos a sopa "base" e, uma vez mais, foi o berreiro durante os dois primeiros dias, depois lá passou. Podia acrescentar um legume novo a cada três dias e ele passou a apreciar muito mais a sopa. E fruta é com ele! Até foi fácil introduzir novos sabores, primeiro estranhou e depois entranhou-se. Passou a comer na cadeira da papa - coloquei-o a medo a pensar que não iria ficar com uma postura direita, que aquela cabeça iria mergulhar no prato da sopa, mas lá se safou, ele só vem atrás quando não consegue esperar pela próxima colherada! Com a introdução de novos alimentos lá o desenjoaram e passou a beber bem o leite, mas mesmo assim bebe um pouco menos do que é média para o seu peso, mas a pediatra diz para não nos preocuparmos que ele está a ganhar bem de peso.

Agora aos sete meses, vamos começar a introduzir o pão, o iogurte natural sem açúcar, mais variedade de fruta e a sopa também ao jantar. Aos oito, o peixe na sopa.

02/03/2016

Matchy-matchy

Sem me aperceber, acho que entrarei na moda de fazer 'pendant' com o meu filho!

[Não sei se estou a adoptar um estilo mais prático por ter um bebé ou se estou a ser influência pelo mundo azul. Mães de meninos, digam-me, adoptaram um estilo mais "desportivo"? Eu nunca fui fã de ténis, por ex., mas agora ...]