16/11/2015

#4 Mês da Prematuridade

- O internamento - 

O único aspecto positivo nesta fase de internamento - para além da sua recuperação, como é óbvio! - foi sentir-me mais confiante no papel de mãe. Como diziam as enfermeiras, temos que encarar esse período como uma pequena escola de preparação. Eu nunca tive muita lidação com crianças, nunca havia mudado uma fralda, nem dado banho, e tinha medo de pega-las ao colo por serem seres tão frágeis, quanto mais! Ter profissionais à minha volta ajudou-me a descomplicar situações que temia: deixar escorregar o bebé no banho, machuca-lo ao mudar de roupa ... Uma série de tragédias que passavam pela minha cabeça. E saber que ele dormia num berço que detectava a apneia do sono (outro grande medo) deixava-me mais tranquila. Mas o tempo nestes casos não funciona a nosso favor. Quanto mais tempo passa, mais desesperadas ficamos em tira-los dali. Chega um ponto que ficamos saturadas de pedir permissão para tratar dos nossos próprios filhos. 
Felizmente, a "nossa" Maternidade permitia que os pais visitassem os seus filhos sempre que quisessem, a qualquer hora. Pelo que tenho lido, algumas impõem horários de visitas aos pais! Mas quem define estas regras tem que entender uma coisa: pais não são visitas! Os pais deveriam ficar junto dos filhos mesmo quando estão internados. Eu só tive direito a passar uma noite extra na Maternidade porque pedi e porque estava deslocada da minha área de residência. Uma noite extra! quando existe posters espalhados a dizer que não se separa um filho de uma mãe, para fomentar o aleitamento materno, blábláblá. Este país tem boas teorias mas na prática ...
Pouco tempo depois da alta do meu filho, a Maternidade onde ele nasceu adquiriu novas tecnologias que permite aos pais acompanhar os seus filhos via web (notícia aqui). É uma ajuda para acalmar os pais, mas não é a mesma coisa.

3 comentários:

ballon blanc disse...

Olá!
Realmente só por quem passa por estas situações de poder tocar no filho "com permissão" é que entende o quanto custa... As idas diárias ao hospital, o aperto no coração à noite... deixar um filho no hospital é uma dor imensa embora sabemos que estão em boas mãos!
Tudo de bom para ti e ao teu amor xxs :))

Opinante disse...

Concordo com o comentário acima, acho que só mesmo quem passa saberá dar o valor à dureza deste processo. Tudo de bom :)

Maria disse...

só quem passa por momentos assim é que pode falar :)
não deve ser facil mas os pais conseguem tudo :)